Parabéns Angola

Já terminaram, ontem ao final do dia 11 de Novembro, as festividades de celebração da Independência da República Popular de Angola.

Tantas foram as festas nas suas diferentes vertentes que se tornou imposssível escolher este ou aquele concerto, esta ou aquela festa, numa celebração que, ainda para mais, comprovou que as redes sociais ultrapassam fronteiras e que Angola permanecerá sempre como Nação uma personagem colectiva que todos os dias demonstra como contribui para um Mundo melhor.

Em particular, no que respeita às Artes, Angola conquista espaço e protagonismo a nível global, recorrendo a linguagens e narrativas próprias não apenas na música, mas também na dança, na literatura, no teatro, no cinema…

Será hoje dificil escolher um músico que represente a ‘Angolanidade’, se é se que tal é possível. Não sendo, mais fácil é entrarmos numa “Máquina do Tempo” e repescarmos, há cerca de 40 anos, um músico cuja canção, voz e letra, conseguia irritar pessoa ditas Esquerda e outras de Direita, O músico chamava-se José (Zeca) Afonso e a música era esta:

Advertisement

OPA lançada por Isabel dos Santos visa “participação relevante mas minoritária” na brasileira Oi

oi--brasil-telecom

O porta-voz de Isabel dos Santos declarou à imprensa portuguesa que: “O objectivo final (da OPA sobre a PT SGPS) é a aquisição de uma participação relevante, mas minoritária e não de controlo, no capital da Oi, permitindo a manutenção da unidade do grupo PT reconhecendo e potenciando a capacidade tecnológica da empresa, ao mesmo tempo que é reforçada a capacidade da Oi num momento crítico das telecomunicações”.

Esta declaração reforça a mensagem transmitida na semana passada pela empresária angolana em defesa da manutenção da Portugal Telecom em mãos portuguesas e da salvaguarda do valor dos seus activos.

Recorde-se que no dia 5 de Novembro – através de comunicado emitido em conjunto por Isabel dos Santos e Paulo Azevedo da Sonae na qualidade de accionistas da ZOPT SGPS . fora já manifestada a vontade “De apresentar uma solução para a actual situação da Portugal Telecom, promovendo a defesa do interesse nacional”.

A somar a essa iniciativa, Isabel dos Santos lança agora – através da sua sociedade Terra Peregrin SGPS, – uma oferta pública geral e voluntária sobre a Portugal Telecom SGPS, oferecendo 1,35 euros por acção, no valor total de $1,5 biliões. A operação, sendo bem sucedida, permitirá à empresária ficar com os 25,6% que a PT, SGPS detém no capital da Oi. O valor oferecido por acção representa um prémio de 11% face à última cotação dos títulos da PT, SGPS.

Angola aumenta em 40% as verbas para a Saúde e Educação no Orçamento do Estado para 2015

Saude_Angola

O Orçamento Geral do Estado angolano terá, pela primeira vez, mais verbas destinadas às áreas da Educação e da Saúde do que às de Defesa e de Segurança somadas, de acordo com a análise feita pelo semanário ‘Expansão’.  Segundo o artigo publicado: “A proposta de OGE 2015 quebra a tradição de gastar mais dinheiro com os quartéis do que com as escolas e hospitais”.

A proposta do OGE deu entrada sexta-feira passada na Assembleia Nacional, e o documento apresentado para as contas do Estado em 2015 aumenta em 47% a despesa com a Educação para 657,8 mil milhões Kz, face a 2014. Como salienta o ‘Expansão’: “Este valor é equivalente a 9,1% do total das despesas incluindo activos financeiros”. A Saúde vê aumentadas as suas verbas em 28,4% para 405,5 mil milhões Kz, correspondentes a 5,4% do total.

“No conjunto”, demonstra o artigo, “as verbas destinadas à educação e saúde aumentam 39,3% entre 2014 e 2015, para 1.063,2 mil milhões Kz ou 14,7% do total. Já o orçamento da defesa e segurança leva um corte de 14,3%, para 1.023,0 mil milhões Kz, correspondentes a 14,1% do OGE”.

A notícia relacionada com o OGE para 2015 na íntegra pode ser consultada aqui.

Nações Unidas atribuem $250 milhões a Angola até 2019

ONU

Foi esta quinta-feira divulgado em Luanda que as Nações Unidas irão atribuir cerca de 250 milhões de dólares para o financiamento de projectos em Angola até 2019, no total do financiamento das várias agências especializadas da ONU que actuam no país.

Segundo o que foi revelado pelo Governo angolano, este pacote financeiro resulta de um novo acordo de parceria celebrado na passada quarta-feira com a representação da ONU em Angola no âmbito do documento “Angola Visão 2025″ e do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 2013-2017 preparado pelo Governo.

As verbas serão utilizadas pelas agências especializadas da ONU na implementação de projetos em àreas como a Saúde, Educação, Proteção Social, Direitos Humanos, reforço da governação e acesso da população à Justiça, para além do apoio ao empreendedorismo,”como forma de promover a inclusão social e económica da população mais jovem”.

As agências especializadas das Nações Unidas em Angola incluem o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Isabel dos Santos entra na corrida pela PT

NOS-ZonOptimus-Edificio

Isabel dos Santos e a Sonae, accionistas da ZOPT SGPS, emitiram um comunicado em que manifestam a vontade de apresentar uma solução para a actual situação da Portugal Telecom, “promovendo a defesa do interesse nacional”.

De acordo com uma fonte próxima da ZOPT citada pelo ‘Diário Económico’, “Esta ‘holding’, que controla a NOS, pode apresentar à Oi ‘as melhores condições financeiras’ em função das sinergias obtidas e que está disponível para trabalhar com a regulação no sentido de garantir condições de concorrência no mercado português. A mesma fonte adiantou ainda que os accionistas da ZOPT estão disponíveis para assegurar uma solução para o mercado português de telecomunicações com operações fortes, capacidade de crescimento e preservação de postos de trabalho”.

Outros interessados na compra da PT são os franceses da Altice, para além dos fundos APAX, BAIN e CVC, que de acordo com a agência financeira Bloomberg estão a trabalhar numa proposta conjunta.

Texto integral do comunicado da ZOPT: “A ZOPT, SGPS, SA, e os seus accionistas, na qualidade de investidores estratégicos e comprometidos com o mercado de telecomunicações português, na sequência das notícias recentemente vindas a público sobre possíveis alterações na estrutura acionista da PT/OI, convictos da existência de alternativas que salvaguardem o valor acionista, contribuam para o desenvolvimento e investimento no sector, assegurando mais competitividade e valor para os clientes, manifestam a sua disponibilidade para integrar uma solução que, em aberta colaboração com as partes envolvidas, assegure o necessário compromisso de interesses, promovendo a defesa do interesse nacional”.

Bloomberg destaca influência crescente de Angola

bloombergonblack

A Bloomberg, uma das principais agências mundiais de informação económica, destacou o desenvolvimento político e económico de Angola num extenso artigo publicado ontem no seu site. O artigo, assinado pelos jornalistas Colin McClelland e Manuel Soque, destaca ainda posição e a influência que têm vindo a ser conquistadas pelo país no continente africano,

Em particular, é assinalado o facto de Angola ter vindo a conquistar a confiança internacional, tendo obtido um lugar no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Outro vitória diplomática mencionada é o papel como mediador do presidente José Eduardo dos Santos nas negociações sobre desarmamento na República Democrática do Congo.

Para além disso, é também destacado o papel de Angola como líder na Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, que inclui o Uganda, o Burundi, a República do Congo, o Quénia, o Rwanda, o Sudão, a Tanzânia, a Zâmbia, o Sul do Sudão, a República Centro-Africana e a mencionada República Democrática do Congo.

Lembrando que Angola é a terceira maior Economia da região, avaliada pelo Banco Mundial em 122 Biliões de dólares, o artigo menciona no entanto que ainda existem alguns entraves ao desenvolvimento, nomeadamente no que respeita à necessidade de reduzir o número de cidadãos com menos de $2 por dia, bem como a excessiva burocracia que é vista como entrave à iniciativa privada.

À medida em que aumenta a sua reputação e projeção internacional, maior é também a atenção do exterior sobre a política interna do país. O que pode ser positivo para o progresso de Angola, assinalam os autores do artigo que inclui declarações de Carlos Rosado de Carvalho, director do semanário angolano ‘Expansão’.

RTP dedica 18 programas às questões ambientais em Angola

minutoverde

O programa ‘Bom Dia Portugal’ – da responsabilidade do canal de televisão português RTP e que pode ser visto em Angola graças à RTP África – vai dedicar a Angola dezoito episódios da sua rubrica ambiental, ‘Minuto Verde’.

De acordo com o divulgado por Francisco Ferreira, coordenador e responsável pelos episódios que serão transmitidos este mês de Novembro, a intenção subjacente é a de contribuir para uma maior consciência ambiental dos Cidadãos angolanos através de conselhos, acções e gestos simples que os mesmos possam pôr em prática no seu dia-a-dia.

Ao mesmo tempo, a rubrica ‘Minuto Verde’ incluirá também conteúdos associados aos esforços que o Governo angolano, através do Ministério do Ambiente, tem desenvolvido em prol da sustentabilidade e da preservação ambiental.

Ainda segundo declarações de Francisco Ferreira à Angop, os episódios incluirão “filmagens realizadas no Parque Nacional da Quiçama, de visitas a empresas de reciclagem de resíduos, como garrafas de  água mineral, pneus, óleo de máquinas, e os encontros mantidos com representantes da sociedade civil que lidam com ambiente em Angola”.

‘Minuto Verde’ é uma rubrica da responsabilidade da organização ambientalista portuguesa Quercus e que desde há oito anos integra todos os dias úteis o programa informativo ‘Bom Dia Portugal’. Para estes episódios sobre Angola a rubrica conta, para além da produção assegurada pela RTP, com o apoio financeiro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), do Programa Ambiente da Fundação Gulbenkian e de mecenas privados.